Terceiro sexo e o transexualismo


O terceiro sexo, ou terceiro gênero envolve indivíduos que não se identificam como masculino nem feminino. Apresentam um estágio intermediário entre os gêneros. Em algumas culturas, os intermediários são organizados em comunidades e recebem denominações e até mais recentemente, identificação.
Hijra é uma palavra urdu que significa eunuco ou hermafrodita. No Paquistão e na Índia, os Hijiras, habitualmente assumem uma identidade que mais se aproxima do feminino, muitos até se casam com homens. Vivem organizados em comunidades e lutam pelo reconhecimento de identificação e direitos sociais.
No Paquistão, o chefe de Justiça da Suprema Corte, sensibilizado com a situação dos Kusras, uma comunidade de eunucos ordenou ao Governo a criação de um terceiro sexo nas carteiras de identidades. Os Kusras (veja o vídeo) são hermafroditas e travestis e vivem uma situação de exclusão e preconceito. Muitos são agredidos, presos, maltratados, pedem esmolas e se prostituem.
Já o transexualismo, situação onde ocorre a inversão de papéis de gênero, em que o sexo biológico não é o mesmo do sexo psicológico: os chamados: “homens com alma de mulheres” vivem desde a percepção que ocorre geralmente na infância que há algo diferente o terror da dúvida, dos conflitos e do preconceito.
A estigmação do transexualismo leva muitas jovens a se esconderem e por vergonha não assumem sua condição.
Conheça as mulheres transexuais famosas e suas histórias. A Brasileira transex mais famosa é a Roberta Close, que fez a cirurgia de redesignação sexual em 1989 na Inglaterra. Mas foram necessários 15 anos de luta na justiça para mudar de nome de Luis Roberto Gambine para Roberta Gambine.
Vejo o preconceito como o medo...
Medo do que é diferente, do que não é igual a mim...
Medo do que eu não compreendo...
Será que isso pega?
Nem precisa responder! Infelizmente a sociedade ainda tem necessidade de rotular “etiquetar” as pessoas no que diz respeito à sexualidade: Trans, bi, homo, gay... e por aí a fora!
E isso...NEM FROID EXPLICA!
Veja mais sobre transtorno de identidade de gênero no ABC da saúde:www.abcdasaude.com.br

1 comentários:

Luciene disse...

Cada pessoa têm livre arbitrio sobre sua sexualidade, basta colocar o preconceito de lado para o respeito entre as pessoas prevalecer.

Postar um comentário

O amor é lindo... e que seja eterno!