Quem é a superbactéria?


A superbactéria é uma bactéria multirresistente que circula no ambiente hospitalar. Logo após a epidemia da Gripe A (por H1N1) a notícia de uma superbactéria que é resistente a 90% dos antibióticos, assustam pessoas que precisam se submeter a cirurgias e internações. Um grupo de cientistas chamou a atenção para o isolamento de um gene (NDM-1) em dois tipos comuns de bactérias - Klebsiella pneumoniae e Escherichia coli (E.coli). Essa mutação é responsável por tornar as duas bactérias resistentes aos principais grupos de antibióticos, os carbapenens – normalmente utilizados como última tentativa em tratamentos de emergência em pacientes em que os antibióticos não fazem mais efeito (veja.abril.com.br). A ANVISA reagiu publicando duas novas normas que previnem a infecção pela KPC: As instituições de saúde – públicas e privadas – coloquem a solução alcoólica (70%) em gel à disposição de pacientes, médicos, funcionários, profissionais de saúde e visitantes destes locais, para que possam fazer a higienização das mãos e a obrigatoriedade da retenção de receitas de antibióticos pelas farmácias, o prazo é de 30 dias. A KPC pode ser controlada com medidas simples mas pode ser fatal se não for trata em tempo (www.brasil.gov.br). Até meados de novembro de 2010, 198 casos tinham sido notificados, com 22 mortes confirmadas somente em Brasília. Em outras regiões do Brasil também foram notificadas mortes pela superbactéria: Pernambuco e Mato Grosso, em que foram fechadas duas UTIs em janeiro de 2011.
Tratamento: Há poucos antibióticos disponíveis e eficientes, o principal deles, que age contra a KPC, é a polimixina; que só pode ser deve ser prescrito por um médico.
Sintomas: São normais de uma infecção: febre; dores na bexiga (se for o caso de uma infecção urinária); tosse (se for uma infecção respiratória). Os casos de infecções mais leves são as que atingem o sistema urinário, mas os mais graves são pneumonias, que podem levar à morte(www.not1.com.br).
Fonte da imagem: http://saude.culturamix.com/noticias/descoberta-super-bacteria-perigosa

ANVISA quer cancelar o registro de remédios para emagrecer

No dia 23 de fevereiro a ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária) realizou em Brasília uma audiência pública sobre os medicamentos para emagrecer, ou inibidores de apetite, que reuniu médicos e farmacêuticos para discutir o tema com base nos resultados publicados pela farmacovigilância.
O Diretor Dirceu Barbano, afirmou em entrevista que muitas discussões ainda ocorrerão.Os medicamentos à base de sibutramina e dos anorexígenos - anfepramona, femproporex e mazindol, podem ter seu registro  cancelado devido à estudos que associam seu consumo a doenças cardiovasculares e a distúrbios comportamentais.
Leia mais em:
Sibutramina: http://www.cvs.saude.sp.gov.br/at_03-01.asp

Fonte: portal.anvisa.gov.br

10 Atitudes que um professor nunca deve tomar

video

Boca ou vagina, onde tem mais Bactérias?


Artigos científicos indicam a relação direta entre a saúde bucal e o número de microorganismos presentes. Estudos indicam a presença de mais de 500 tipos diferentes de bactérias que podem colonizar nossa cavidade bucal, destas em torndo de 21 são frequentes e 2 de ocorrência rara. Na vagina, é diferente. Em mulheres normais existem cerca de 12 tipos de bactérias: Stafilococcus epidermidis,Streptococcus fecalis, Lactobacillus sp, Corynebacterium sp, E. Coli, Bacteroides fragilis. Fusobacterium sp, Veillonella sp entre outras. Boa parte dessa flora vaginal é composta por bacilos gram-negativos que protegem a vagina contra agentes externos, como por exemplo bactérias patogênicas. Apesar dos dados estatísticos variarem muito, podemos perceber que no final das contas nossa vaigina contém menos microorganismos que nossa boca. talvez essa seja a reazão pela qual muitos americnos frescos não gostem de beijar na boca, ou não beijem as profissionais do sexo...

Seja por nojo ou higiene quem deixa de beijar na boca não sabe o que está perdendendo...

Os efeitos terapêuticos do beijo já está comprovado: ele reduz os níveis de cortisol, o hormônio do estresse em ambos os sexos e aumentam os níveis de oxitocina que motiva o beijo e o abraço.

Portanto... as bactérias que me perdoem... e os frescos também, eu quero mais é beijar muuuuiito todos os dias!

Não agüento mais...


Filme repetido...
Reality Show na TV...
Gente mesquinha...
Amigo da onça...
Café frio...
Velho safado...
Criança irritante...

Continue... envie o que você não agüenta mais!


Fonte da imagem: salvesalveessanega.blogspot.com

A camisinha estourou, e agora?


Que desespero! O inesperado aconteceu,  você está lá de boa com seu “affaire”, e no final da transa ele diz que a camisinha estourou. Se você estiver em um relacionamento estável, em há um conhecimento mútuo, a única preocupação será da possibilidade de uma gravidez indesejada. Neste caso, basta procurar o mais rápido possível um posto de saúde e pedir a pílula do dia seguinte, ou pós-love distribuída pelo Ministério da Saúde (levonorgestrel). A pílula tem uma eficácia de 95% caso seja tomada nas 24 horas seguintes à relação sexual. A pílula do dia seguinte pode ser adquirida em qualquer farmácia ou drogaria. O problema se agrava quanto se trata de uma pessoa casual ou desconhecida. A possibilidade de adquirir uma DST não pode de forma alguma ser ignorada. A AIDS é uma doença grave, incurável e que pode ser transmitida por pessoas “portadoras” de aparência saudável e sexualmente ativa. Como quem vê cara não vê AIDS então você deve tomar a seguinte providência:
Procure um serviço médico especializado, que pode ser encontrado nos grandes hospitais de urgência dos grandes centros. O médico pode prescrever anti-retrovirais (TARV) que se utilizado nas 72 horas após a relação sexual pode ser eficaz na prevenção da infecção por HIV.  
Este tratamento é indicado a pessoas expostas a risco, em caso de acidentes (profissionais da saúde, policiais), ou violência sexual (estrupo, abuso e etc.). O TARV atua diminuindo a probabilidade do vírus entrar no CD4 e se reproduzir.
Para saber mais sobre AIDS e o HIV:
Gostou do Post?  Comente!

A calça que deformou as mulheres...

A calça cocota ou Saint-Tropez (santropê), moda dos anos sessenta... pegava bem com tudo, anéis, brincos, blusa estilo indiana, longas madeixas coloridas e etc. O que ninguém imaginaria é que com o apego à moda e a mudança nos hábitos alimentares a mulher desenvolveu grandes culotes (“pneus”)em boa parte em decorrência da saint-tropezapertadíssima... agora não é fácil simplesmente aderir a cós alto, o corpo já se deformou e a cintura dupla só sai na faca!

                                                                   Fonte da imagem: ateliedasletras.blogspot.com
Aderir ao cós alto não é tão simples, porque não pega bem pra todas... Nas altas e magras define melhor a cintura (aliás, pouca coisa não fica bem em altas e magras rsrsrrs!). Então o que sobra para as pobres mortais que não querem ou não podem entrar na faca, é se adaptar e malhar.

                                                       Fonte da imagem: recalight.blogger.com.br

Pra disfarçar, existem cintas modeladoras milagrosas, tipo a promovida pelo famoso “Dr. Ray” (Shapewere) ou modelos similares que tornam as curvas mais assimétricas. Porém o efeito é temporário e quando se chega em casa, a banha desmorona. Se, falar que é impossível ficar várias horas com aquelas “narquias” apertando a virilha...
 
                                                                          Fonte da imagem: todaoferta.uol.com.br
Resta apelar pra moda dos “Chemisier”, das batas, com tudo larguinho, uns franzidinhos delicados, não tão grandes, nem pequenos que deixa o visual leve e dá ares de liberdade. Veja os Looks das novelas e aprenda a montar o seu próprio visual descolado. Mas não abuse, a moda que ao mesmo tempo favorece as cheinhas, deixa a gente cada dia mais relaxada...

Mensagem de boas vindas!

video

O amor é lindo... e que seja eterno!